sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Pequenas cidades, grandes indústrias


Eu fico indignada com as grandes indústrias que chegam em nossas cidades, não pagam impostos municipais e ainda por cima detonam com o meio ambiente.
Ai você me fala, é mas gera muitos empregos na região e blábláblá...que nada!
A maioria dos funcionários dessas indústrias são pessoas de outros estados...e pode até gerar empregos sim, mas passa algum tempo de serviço e olha um sem o dedo, o outro sem a mão e assim vai. Ah, mas também fazem girar a economia em torno do município! E daí? Quer dizer que nossas nascentes de rios, a mata ciliar, os animais e os próprios seres humanos que trabalham muitas vezes sem dignidade, de nada valem? Estão abrindo mão disso tudo pela economia, pelo capitalismo exacerbado?! Poderiam colocar em prática o capitalismo humanitário, com o dever de se preocupar primeiramente com a saúde, a vida, o meio ambiente, as condições de trabalho, depois disso, sim o lucro.

As indústrias chegam em nossas cidades e contaminam os lençóis freáticos, desfazem o ecossistema aquático que há na região, criam canais e piscinas ocultas para liberar os lixos e até mesmo fazem isso antes da captação de água da cidade, fazendo com que a cidade toda receba em suas caixas d'água essa água misturada com lixo industrial.
Há um desprezo e despreocupação por parte dos empresários tão grande com a qualidade da saúde dos cidadãos, os animais silvestres e o habitat em que vivemose e não posso deixar de citar também a conivência do poder público em relação a esses fatos, pois fingem não perceber o mal que estão causando.

E enquanto nós cidadãos, que pagamos impostos e fazemos girar a roda da economia, não lutarmos por condições justas e humanas de saúde e trabalho continuarão ocorrendo esses tipos de situações. Enquanto não exigirmos do poder público a diária fiscalização nessas indústrias e leis mais rigorosas continuarão a fazer de nós meros fantoches.


Dica de filme:
Nação Fast Food

Foto: acidente industrial na cidade de Rio Verde - GO, onde a PERDIGÃO deixou "escapulir" um lixo a mais em uma de suas piscinas. Detalhe: isso foi jogado antes da captação de água do rio Abóbora.

Goiás: a capital e os interiores

Eu nasci na capital. Mas me mudei para o interior. Sorte a minha. Ou azar.
Quase tudo tem seu lado bom e o lado ruim, capitais e interiores também.

Goiânia é uma capital muito bonita, é hoje uma das cidades mais arborizadas do mundo, com 94m² por habitante. Andar lá é uma delícia, pode estar fazendo aquele sol de rachar mamona que as sombras das árvores amenizam o calor e ainda deixa o ar mais úmido. Na capital tem muitos museus, inúmeras salas de cinemas espalhadas por toda cidade, shoppings de compras, parques e bosques, bares em pontos badalados da cidade, grandes hipermercados, avenidas e ruas largas, diga-se de passagem, muito bem planejada. Enfim é um sonho...sonho que pode ter algumas interrupções desagradáveis. O trânsito de Goiânia, daqui uns 10 anos, não suportará de veículos. Hoje é um caos, ônibus, carros, motos, bicicletas e pedestres brigando para ter um espaço. Coitados daqueles que tem que depender de ônibus, que vida triste. ônibus lotados, andar um trajeto enorme em pé debaixo de pessoas suadas com um cheiro não muito agradável, ter que enfrentar pontapés e empurrões na hora de entrar dentro dos ônibus nos terminais...é uma odisséia. Não posso deixar de comentar, o enorme índice de criminalidade que há na cidade grande. Pessoas sendo assaltadas a todo momento, esfaqueadas, baleadas...

Já nos interiores, ainda hoje existem alguns pequenos municípios no estado de Goiás, que são bem arborizados, mas a maioria deles não. Moro em Rio Verde, sofro e vejo muitos outros sofrendo com a falta delas. Estão com um projeto para arborizar mais a cidade, estava passando da hora. É engraçado que as donas de casas e empresários reclamam pelas folhas ou flores que caem das árvores e por isso mandam cortá-las, mas quando vão estacionar o carro o que procuram? Ou quando vão sentar na porta de casa o que procuram? A bela sombra de uma árvore...que hipocrisia!
A alegria dos interioranos são os shoppings centers...quando vão a capital não podem deixar de dar uma passadinha lá. Mas também, quanta coisa bela que lá existe. A vida interiorana é bem mais pacata do que um que vive na capital. Um pouco sossegada, mas infelizmente a criminalidade está nos invadindo...os bandidos, ladrões preguiçosos, furtam aquilo que geralmente pessoas de bem trabalharam tanto tempo para adquirir. É bom conhecer todo mundo da cidade, cumprimentá-los...na capital não vemos tantas "gentilezas" quanto nos interiores, mas no fundo o povo goiano tem um grande coração, acolhe todos os outros migrantes, gaúchos, paulistas, nordestinos...enfim o povo goiano é um povo bom.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Editora Positivo promove espetáculo teatral em Rio Verde


Temporada terá uma sessão beneficente aberta ao público.

A entrada é um quilo de alimento não perecível.



Entre os dias 21 e 22 de setembro o Auditório Jairo Neves – Senac receberá quatro apresentações da peça teatral Cantar e Viver o Brasil. Destinada para adolescentes de 13 a 17 anos, o espetáculo conta a história política do país e a trajetória da Música Popular Brasileira do século XX. Além dos estudantes, o público em geral também poderá conferir a encenação em uma sessão beneficente, que acontece dia 22, às 20h. Para isto, basta cada espectador trocar um quilo de alimento não perecível pelo ingresso, que será destinado à Associação Beneficente André Luiz.



Cantar e Viver o Brasil é uma produção da Harmonia Produções Artísticas e Culturais LTDA., com direção da Cia. de Teatro Regina Vogue, ambas de Curitiba (PR). No palco, os fatos e os momentos mais importantes da nação brasileira percorrem décadas, da República Velha à atualidade, conduzidos por adolescentes imersos em uma fascinante busca pelo saber. A peça teatral revive a história contemporânea brasileira, reunindo momentos de alegrias, tristezas, euforias e reflexões. Em cena, os atores mostram o amadurecimento do país, suas conquistas e suas paixões.



A realização do espetáculo faz parte das ações de Marketing Cultural da Editora Positivo – empresa do Grupo Positivo, maior corporação educacional do país – que tem o intuito de aliar o entretenimento ao conhecimento, disseminando o teatro em todo território nacional. Ao todo, a turnê deste espetáculo beneficiará mais de 47 mil alunos de 425 Escolas Conveniadas ao Sistema Positivo de Ensino de 18 cidades nos Estados do Paraná, de Minas Gerais, de Goiás e do Distrito Federal.



"O espetáculo vai além de uma experiência didática porque une conhecimento e arte, resgata a memória de um povo por meio da música, contribuindo para despertar uma consciência mais analítica e ativa em cada cidadão", afirma Alessandra Meira, coordenadora do Núcleo de Ações Especiais da Editora Positivo, responsável pelo projeto.



Para complementar a iniciativa, também foi criado um site exclusivo do espetáculo (www.cantareviverobrasil.com.br), no qual alunos e professores podem se divertir e interagir com o conteúdo da peça e, ainda, participar de um concurso cultural. O estudante que criar a melhor paródia da música “Alegria, Alegria”, de Caetano Veloso, com a estrofe “Caminhando contra o vento sem lenço sem documento, no sol de quase dezembro, eu vou”, contendo a palavra “Positivo” uma única vez, irá ganhar um Ipod Touch 8GB e o professor indicado pelo aluno vencedor ganhará um Positivo Mobile Mobo 7. Já a escola que tiver o maior número de alunos cadastrados no concurso será premiada com um Datashow.



Teatro de bonecos: Encanta Brasil


SERVIÇO

Peça: Cantar e Viver o Brasil

Programação em Rio Verde (GO)

Dia 22/9/2009, 10h00

Dia 22/9/2009, às 20h – Sessão beneficente aberta ao público – Entrada: 1 kg de alimento não perecível.


Local: Auditório Jairo Neves - Senac – End.: R. Ilídio Leão, 154 – Vitória Régia